LA INDEFINIBILIDAD DE ‘BUENO’ EN G. E. MOORE Una introducción a la ética de G. E. Moore

Joaquim Clotet

A tese de doutorado do Professor Joaquim Clotet, aqui publicada em sua versão integral em espanhol, vem finalmente coroar sua inestimável contribuição para a pesquisa em Bioética, Ética Aplicada, Ética Normativa e Metaética. A tese foi originariamente defendida na Universidade de Barcelona em 1980. O Professor Clotet nos mostra que embora o nome de G. E. Moore esteja vinculado aos primórdios da chamada filosofia analítica, juntamente com B. Russell e L. Wittgenstein, a sua contribuição substancial para a história da filosofia foi negligenciada ou mitigada na segunda metade do século passado. Em seu estudo meticuloso, Clotet argumenta que a indefinibilidade do que é bom ( good ), como predicado ou adjetivo, desvela o intuicionismo moral de Moore em sua visão crítica do bem the Good ) enquanto propriedade simples e não natural, sem pretensões para além de suas investigações morais epistêmicas e metafísicas, afastando se de Bradley e do idealismo britânico, antes de desenvolver suas próprias reflexões sobre a filosofia moral em diálogo crítico com o utilitarismo de Bentham e J.S. Mill, a moralidade evolucionária de Spencer, a moralidade neoidealista de Bradley e o intuicionismo hedonista de Sidgwick. (Nythamar de Oliveira)

384p.
ISBN – 978-65-87424-59-0
DOI: 10.36592/978-65-87424-59-0